Centro Holístico de Eventos e Tratamento Terapêutico – Contato: Plantão (48) 9982-3401 – Rancho Queimado-SC (48) 4052-9209 – São Paulo-SP – (11) 3522-6943 – Porto Alegre-RS (51) 4063-9477

COMIDA VIVA – Globo Reporter

COMIDA VIVA – Globo Reporter

Reportagem: Ismar Madeira (Campos do Jordão, São Paulo)

Prato do dia: verduras, legumes, frutas e sementes germinadas. É a comida viva!

“Eu tomava remédio para pressão e não tomo mais. Emagreci dez quilos com uma alimentação natural que qualquer um pode fazer em casa”, conta o aposentado Orlando Asse dos Santos.

Não é milagre. É o resultado da orientação médica, que seu Orlando recebeu em um posto de saúde de Campos do Jordão, em São Paulo. Tudo de graça, pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Foi com o médico Alberto Gonzalez, pesquisador da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), que ele e muitos outros pacientes começaram a aprender que comida é remédio.

“Há influências bastante claras na obesidade, na constipação, na inflamação crônica, na dislipidemia – que é o desequilíbrio do colesterol –, nas doenças gastrointestinais e respiratórias e no diabetes”, aponta Alberto Gonzalez.

Mas, afinal, o que é comida viva? A receita é simples: nada pode ser cozido, frito ou assado. Os alimentos são de origem vegetal. E para começar bem o dia, um suco poderoso.

Se uma pessoa que não tem uma doença diagnosticada nem se sente mal resolver experimentar esse alimento vivo, que resultados vai sentir?

“É muito importante que eu, me apresentando como médico, diga que alimento vivo é bom para quem está doente, mas o alimento vivo é uma alimentação para quem está sadio e quer se manter sadio”, esclarece Alberto Gonzalez.

Decidi experimentar. Em dez dias, que resultados eu veria?

“Em dez dias, vai haver uma grande liberação de água do seu corpo. Muita água retida vai ser eliminada. Você também vai notar mudanças no âmbito da digestão e da disposição, principalmente após as refeições, Você vai se sentir muito bem disposto”, adiantou Alberto Gonzalez.

Doutor Alberto troca o jaleco pelo avental. Hora de arregaçar as mangas e mostrar como se prepara o suco. “O grande equipamento é um liquidificador. Depois de tudo lavado, você começa a fazer o suco. Primeiro, picota o pepino. O pepino vai para perto da hélice, porque ele é um grande gerador de água. Aí vem a maçã. Vamos extrair a água do pepino, da maçã e das verduras orgânicas disponíveis com uma cenoura. E, finalmente, as sementes de girassol germinadas. Você pode usar só trigo, girassol, quinoa, gergelim, amêndoa. O ideal é a semente germinada”, ensina Alberto Gonzalez.

Este é o grande segredo da comida viva: grãos germinados. E se você já está se perguntando como vai fazer para conseguir essas sementes, não se preocupe.

“Em seguida, coamos. Fica uma massa consistente. É um coador de voal, que qualquer um pode ter. As pessoas com mais recursos usam uma centrífuga. É o café da manhã. É bom que seja um copo grande. Tem pão, manteiga, café e leite, só que em forma natural, viva e repleta de nutrientes vivos”, ressalta Alberto Gonzalez.

Não é um suco ralinho, parece um leite ou algo muito cremoso. É em um casarão que doutor Alberto Gonzalez ensina receitas de alimentos vivos. Alguns pacientes são encaminhados para o local e aprendem que, além do suco, podem fazer pratos coloridos e saudáveis, como a caldeirada de frutos do mato.

Legumes ralados, picadinhos. Basta prensar os alimentos, uma técnica feita com as mãos, para controlar a temperatura da panela. Afinal, nos chamados alimentos vivos, legumes e verduras não podem ser cozidos.

“Se começar a queimar as mãos, tem que desligar. Se não queimar a mão, não vai queimar os alimentos também”, explica uma funcionária do hospital.

“A carne é uma questão de herança cultural. Eu não vou chegar em uma aldeia de pescadores e dizer: parem de comer peixe. Comam o peixe, mas incluam na sua vida os alimentos que vêm da mãe terra. Porque eles vêm com a informação que você precisa”, diz Alberto Gonzalez.

“Não posso dizer que sou vegetariano. Uma vez por mês eu não recuso um churrasquinho, mas também não sou escravo da alimentação. Como tudo que eu gosto, com uma certa regra”, conta seu Orlando.

“Sempre digo que tudo que é verde faz bem para o que é vermelho. Quem está com doença cardiovascular volte-se para o reino vegetal. Alimente-se de tudo que é verde possível que a recuperação cardiovascular vem a reboque”, aconselha Alberto Gonzalez.

Em casa, seu Orlando segue a orientação diariamente e faz questão de plantar suas verduras: “Eu aproveito qualquer cantinho. Uma jardineirinha da loja de R$ 1,99, um pouquinho de terra e brota um trigo bonito”.

A grama de trigo usada no suco nasce de sementes comuns compradas no supermercado e simplesmente jogadas por seu Orlando na terra. “Todos os espaços, o quintal do vizinho, por exemplo, eu coloquei trigo há 15 dias e já está nascendo. Temos couve e outras hortaliças espalhadas no meio da vegetação. Uso de sete a oito qualidades para fazer o suco por dia”, conta.

Será que é mesmo tão fácil assim? Nos dez dias em que testamos o suco também experimentamos a preparação dele, até em cozinhas de hotel. Se eu consegui, qualquer um consegue.

Mas, antes, é bom lembrar: estávamos no restaurante de um hotel na cidade turística de Campos do Jordão, e as tentações estavam servidas. Eram 9h. Eu jantei no dia anterior, às 20h30. Ou seja, havia mais de 12 horas. O estômago já estava reclamando. A mesa do café da manhã era farta. Em vez de optar por tudo o que eu normalmente comeria, fiquei só com as frutas e o suco verde.

Logo pegamos a estrada. Acompanhamos doutor Alberto Gonzalez até a casa de um paciente. A viola dá o tom. O lavrador Benedito Vicente da Rosa leva uma vida simples. Mora com a mulher no alto de uma colina, em um lugar onde não tem luz elétrica. Mas sobram ar puro e produtos tirados da terra sem agrotóxicos. Faltava saber como aproveitar todos os seus nutrientes. Foi o que seu Benedito aprendeu nas consultas pelo SUS. Visitas periódicas fazem parte do Programa de Saúde da Família.

Há um ano, o lavrador mal conseguia ir ao posto de saúde, por causa de uma trombose na perna esquerda, uma ferida enorme não cicatrizava.

“Estava muito machucado, era uma ferida só. Tinha um roxo que parecia uma lesão só. Tomei o suco e fechou tudinho, foi uma beleza. Eu já estava até desenganado”, comemora o lavrador.

Doutor Alberto Gonzalez explica: “Os vasos da perna dele não chegavam até a intimidade do tecido, por conta do problema vascular. O suco promoveu o fenômeno denominado neovascularização, de crescer novos capilares onde não tinha”.

Mas o médico alerta: “Se você está usando remédios e quer mudar para o suco, consulte um profissional médico. A pessoa que tem um problema grave de pressão arterial ou problema grave de perfusão sanguínea do próprio coração não pode parar de tomar o remédio. Eu trabalho usando remédios e o suco. Os remédios vão sendo tirados à medida que os resultados com o suco vão aparecendo. E isso depende da adesão do paciente”.

Seu Benedito se empenhou de verdade para ver o resultado. Afinal, o que já seria difícil na cidade grande poderia até ser impossível para quem vive sem energia elétrica – sem um liquidificador.

“Tentei socar no pilão, mas espirrou muito. Tive que inventar outro modo. Daí, foi no ralador. Achei que foi importante”, diz seu Benedito, que colhe os ingredientes, rala e espreme tudo com as mãos. “É um verdadeiro remédio. A perna sarou que é uma beleza! Não tem mais nada, está forte. Já estou imaginando até jogar bola. Eu gostava muito de jogar bola. Fazer isso todo dia é difícil, mas sem esforço ninguém consegue nada”.

A germinação dos grãos é que dá força ao alimento, potencializa os nutrientes. É o que garante a mais antiga pesquisadora da comida viva no Brasil, a designer e professora Ana Branco, da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ). A primeira semente foi ela que plantou. Há 15 anos, Ana Branco reúne conhecimentos que ela passa adiante.

Preste atenção: é o passo-a-passo para você também aprender a germinar as sementes na sua casa.

“Colocamos a semente de girassol de molho na água. Vamos dormir e a semente vai acordar. São oito horas de molho na água. É o tempo de dormirmos e ela acordar. Na manhã do dia seguinte, jogamos a água fora e deixamos escorrendo em algum apoio por mais oito horas. Depois de oito horas de molho na água e oito horas no ar, é só darmos uma lavadinha antes de consumirmos. Podemos olhar o que aconteceu com a semente germinada. Dá para ver o narizinho que está nascendo. Nesse ponto, podemos consumir. Assim, comemos a energia vital contida nela. E ficamos forte que nem ela”, diz Ana Branco.

Para ela, uma filosofia de vida que germinou e deu frutos. Muitos já aprenderam os segredos da alimentação viva em cursos e em uma feira na PUC-RJ.

“Nós começamos com o suco quando eu estava grávida da minha terceira filha. Meu marido faz o suco, fazemos para a família toda. Isso já acontece há três anos”, conta a professora Rosana Cunha Pinto. “O grande barato é chamar as crianças para fazerem junto com você. Pede para uma pegar uma maçã, pede para outra segurar uma hortelã. E assim a gente vai cortando e preparando o alimento junto”.

Eu bebi suco durante dez dias. E não foi difícil, mesmo fora de casa, dormindo em hotéis, comendo em restaurantes. Logo no primeiro dia, eu fiz exames de sangue que mostraram que a minha saúde vai muito bem. Taxas como colesterol e glicose, por exemplo, estão ótimas. E, por causa disso, eu resolvi não mudar mais nada na minha alimentação. No almoço e no jantar, continuei comendo o que estou acostumado e gosto: arroz, feijão, carne.

Mesmo assim, substituindo só café da manhã, o suco fez efeito. Perdi 2,1 quilos. Eu também senti outras mudanças que não podem ser medidas. A primeira: comecei a sentir menos fome nos últimos dias. E a segunda: mudança no apetite. Já não tenho tido mais tanta vontade de comidas pesadas. Pode ser resultado do suco.
Acesse aqui para assistir o vídeo

Fonte: Globo Reporter

Veja os comentários abaixo e acesse também, COMIDA VIVA II para saber mais!

4 Comentários

  1. Olá Noêmia!
    Sou parapsicólogo e terapeuta, mas alerto aqui que estou seguindo tudo como bom brasileiro na base do chutometro. Vou pegando ingredientes, inspirado nas imagens do Globo Repórter, somando algumas dicas da vovó que me fez chegar tradições da colônia e batendo no liquidificador. Tive problemas ao exagerar nos ingredientes sem a devida paciência para processar no liquidificador doméstico e assim optei por adquirir uma centrifuga com uma boca que suporta até 3 maçãs inteiras…rsrsrs. Porém, as sementes eu sigo batendo no liquidificador utilizando um pouco suco antes extraído na centrifuga, misturando tudo depois. Quando tenho tempo, aproveito também para bater no liquidificador o bagaço que fica na centrifuga, batendo com um pouco de suco e depois, coando e torcendo em tecido. Esse aproveitamento eu prefiro depois misturar com água e beber durante o dia a base de 200 ml a cada uma ou duas horas.
    Havia na reportagem sementes de linhaça que quando ficam de molho, criam uma baba tipo quiabo e pode ser confundida com mel na imagem rápida.
    Com relação à quantidade de suco, posso afirmar que seria exagero tomar uma quantidade superior a 300 ml, pois nosso estomago ao certo deve ser dilatado até o tamanho da nossa mão fechada, devendo haver uma alimentação assim (nessa quantidade com qualidade) a cada três horas. Minhas sobras de suco, eu venho guardando na geladeira para consumo posterior. Já cheguei a congelar, levando pronto para viagem, tomando no outro dia sem perceber diferença.

    Naturalmente com responsabilidade, para manutenção do meu CRT, se eu fosse indicar para um consulente (cliente), teria que conhecê-lo bem através de anamnese (ficha detalhada com histórico) e faria uma pesquisa mais detalhada sobre cada ingrediente, criando uma receita específica dentro da realidade, conforme metabolismo da pessoa.
    Entenda que meu site é um portal de informações e assim, tenho sempre o cuidado para divulgar também nos artigos, a fonte, para que as pessoas interessadas numa informação mais detalhadas possam buscar.
    Por exemplo: Ao acessando agora o link: http://globoreporter.globo.com/Globoreporter/0,19125,VGC0-2703,00.html que consta na minha divulgação dessa forma: (Acesse aqui para assistir o vídeo), encontrei alguns nomes de pessoas que foram colaboradoras na matéria, bem como algumas receitas que estou publicando. Note que numa pesquisa, sempre vai se abrindo um leque de informações e se faz necessário tempo para se chegar a um resultado satisfatório. Existem aí adiante alguns nomes que desconheço e isso levaria a me aprofundar nas pesquisas para encontrar…
    Espero assim, estar contribuindo de alguma forma na sua jornada e lamento não dispor de tempo para informações mais detalhadas.
    Abraços, paz e bênção
    Egídio Garcia Coelho
    Terapeuta Holístico CRT-37091

    Nome: ESTÊVÃO ZILIOLI, biólogo
    Informações:
    E-mail: estevaoz@fai.com.br

    Nome: WILMA SPINOZA, coordenadora do curso de engenharia de alimentos das Faculdades Adamantinenses Integradas (FAI)
    Informações:
    E-mail: wilma.spinoza@gmail.com

    Nome: VITÓRIO DOS SANTOS JÚNIOR, biólogo
    Informações:
    E-mail: vitoriojunior@gmail.com

    Nome: ALBERTO GONZALEZ, médico e pesquisador da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp)
    Informações:
    Site: http://www.oficinadasemente.com.br

    Nome: MARCOS VICTORINO, técnico agrícola que idealizou o Projeto Horta nas Alturas em São Paulo
    Informações:
    E-mail: plantandonacidade@cantareira.br

    Nome: SUCO DE LUZ DO SOL (SUCO VIVO)
    Informações:
    Cortar uma maçã em pedaços pequenos e tirar as sementes grandes. Colocar no liquidificador. Usar um pepino como socador para auxiliar a extrair o líqüido que mora dentro das hortaliças. Acrescentar os grãos germinados*, as folhas verdes comestíveis, o legume e a raiz escolhida na proporção indicada, variando as hortaliças sempre que possível e privilegiando as de produção orgânica. Coar em um pano e beber logo em seguida.
    Legumes e raízes: cenoura, abóbora, maxixe, batata-doce, inhame, quiabo, couve-flor, abobrinha, nabo, beterraba.

    *Como germinar grãos
    1 – Colocar de uma a três colheres de sopa de grãos em um vidro e cobrir com água limpa.
    2 – Deixar de molho por uma noite (8 horas).
    3 – Cobrir o vidro com filó e prender com elástico. Despejar a água e enxaguar bem sob a torneira.
    4 – Colocar o vidro inclinado em um escorredor em um lugar sombreado e fresco.
    5 – Enxaguar pela manhã e à noite. Nos dias quentes, é preciso lavar mais vezes. Os grãos iniciam sua germinação em períodos variáveis. Em geral, estão com sua potência máxima logo que sinalizam, o processo do nascimento, quando ficam prontos para serem consumidos.
    Sugestões de sementes:
    Todas as sementes comestíveis, tanto pelo homem como pelos pássaros: girassol, painço, niger, colza, aveia, trigo, linhaça, arroz, soja, centeio, gergelim, grão-de-bico, amendoim, lentilha, nozes, castanha-do-pará, amêndoas, ervilha, feno-grego etc.
    Receita: Ana Branco, designer e professora da PUC-RJ

    Nome: CALDEIRADA DE FRUTOS DO MATO
    Informações:
    Ingredientes:
    Hortis:
    1 maço de couve-flor
    1 maço de brócolis
    1 berinjela
    ½ repolho branco ou roxo
    ½ maço de cebolinha
    3 unidades de shiitake grande
    outros produtos de horta a gosto
    Sementes:
    100g de trigo
    100g de cevadinha
    100g de gergelim branco
    Temperos:
    Miso, cúrcuma, louro, pimenta dedo-de-moça, almeirão, chicória, salsa ou coentro e azeite extravirgem.
    Modo de Fazer:
    Picotar o brócolis, o repolho e a berinjela. Prensá-los com miso até brotar o néctar. Picotar os outros hortis e colocá-los na panela de barro em fogo baixíssimo, prensando levemente com os temperos até atingir o amornamento. Adicionar shiitake fatiado junto aos prensados. Servir com azeite extravirgem.
    Receita: Oficina da Semente

    Nome: ENERGIZANTE NATURAL DE VINAGRE
    Informações:
    Ingredientes:
    1 colher rasa de mel
    1 colher de vinagre
    água com gás
    Modo de Fazer:
    Dissolver o mel no vinagre. Em seguida, adicionar a água gasosa, sem mexer, para não perder o gás.
    Como alternativa à água com gás, pode-se usar água de coco ou chá verde.
    Receita: Vitório dos Santos Júnior, biólogo

    Nome: LASANHA DE ABOBRINHA
    Informações:
    Ingredientes:
    4 abobrinhas cortadas ao comprido
    1 queijo minas padrão ralado
    1 tomate
    1 cebola
    1 pimentão
    alho a gosto (para quem gosta)
    1 pacote de soja em grão (no lugar da carne moída)
    cheiro-verde
    molho de soja (para dar cor à carne)
    3 copos de água quente
    ½ colher de açúcar
    um pouco de óleo
    Modo de Fazer:
    Soja à Bolonhesa:
    Colocar a soja em grão em uma vasilha com a água quente e um pouco de molho de soja. Deixar por 5 minutos e escorrer. Refogar a cebola, o tomate, o pimentão e o alho picados com um pouco de óleo. Depois, despejar a soja, misturar, acrescentar mais um copo de água e um pouco de molho de soja. Quando ferver, apagar o fogo e reservar. Acrescentar o cheiro-verde picado.
    Montagem da Lasanha:
    Em uma tigela refratária, colocar uma camada da soja à bolonhesa, uma camada da abobrinha cortada e uma camada do queijo ralado. Repetir as camadas até terminar. A última camada deve ser de queijo. Colocar no forno pré-aquecido entre 15 a 20 minutos.
    Receita: Sandra da Conceição Oliveira, empregada doméstica

    Nome: MOLHO DE VINAGRE PARA SALADA
    Informações:
    Ingredientes:
    1 maçã-verde sem casca e sem semente
    3 colheres de vinagre de maçã
    1 colher (sopa) de azeite
    1 dente de alho pequeno
    sal a gosto
    Modo de Fazer:
    Misturar todos os ingredientes e usar para temperar saladas verdes.
    Receita: Vitório dos Santos Júnior, biólogo
    Fonte: http://globoreporter.globo.com/Globoreporter/0,19125,VVM0-2708-20159-3-1,00.html

  2. Boa Tarde! gostaria de saber para quais doenças esse suco é benéfico,e se quando pronto deve-se consumi-lo logo ou se posso guarda-lo em garrafa para consumi-lo várias vezes, também gostaria de saber a quantidade de cada ingrediente ou se é a gosto e na reportagem no meio da receita o Dr. adiciona um ingrediente que não deu para mim identificar parece semente de linhaça com mel,poderiam me falar que ingrediente é esse? Aguardo uma resposta.
    Obrigada!!!!

    Noemia Tenória da Silva Castro

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>